TV Câmara

Audiência pública discute a venda do terreno da Praça Chico Mendes, na Agronômica

sexta-feira, 19 Novembro, 2021 - 15:39

A Comissão de Trabalho, Legislação Social e Serviço Público da Câmara realizou na tarde da última quinta-feira (18) uma audiência pública para tratar da possível venda, por parte do governo estadual, do terreno da Praça Chico Mendes, localizado no bairro da Agronômica. Atualmente estão instalados no local o Direto do Campo, a Associação de Moradores da Agronômica e o campo de futebol usado como área de lazer pelos moradores do bairro.

Para o morador Eduardo Farias, embora na região existam diversos equipamentos públicos de uso da comunidade, a geografia do bairro não permite mais avanços para a criação de áreas verdes e espaços de lazer - principal demanda trazida na reunião e que com a venda do terreno será ainda mais prejudicada. "No bairro da Agronômica nós temos o Hospital Infantil, o Hospital Nereu Ramos, o CIC (Centro Integrado de Cultura), temos as penitenciárias estadual e federal, mas não temos uma área de lazer. Não tem mais espaço para as crianças, como vai fazer um campo de futebol?", questiona Eduardo Farias.

O presidente da Associação de Moradores da Agronômica, Renato Oliveira, conta que a venda do terreno está sendo discutida há quase dez anos. "Essa luta está desde 2012. Temos ali 200 crianças mais a feira também, que é boa para a comunidade, e o governo autoritário querendo tirar uma área de lazer que é da comunidade desde a época do meu bisavô", afirma.

De acordo com o representante da Secretaria de Estado da Administração que participou da reunião, Osvaldo Juncklaus, a discussão sobre a venda já acontece desde 2012, e atualmente o imóvel já está à disposição do governo do estado. "Mas a sensibilidade do governador Carlos Moisés fez com que fosse prorrogada a reintegração do espaço para abril de 2022", comenta.

O próximo passo depois da reunião, segundo o vereador Jeferson Backer, membro da Comissão de Trabalho, Legislação Social e Serviço Público, será a criação de um grupo formado por parlamentares municipais e pela sociedade civil para cobrar dos deputados estaduais a votação do projeto referente à venda do terreno na Assembleia Legislativa.